Pular para o conteúdo principal

A importância da Terapia Nutricional durante o tratamento de câncer

03/08/2021 - 04:27 hs - Nutrição

O câncer é uma doença que tem como característica o crescimento anormal das células. O paciente oncológico possui alterações no seu estado metabólico, que faz com que ele tenha risco nutricional, já que as células cancerígenas competem com nutrientes, causando anormalidades no metabolismo dos macronutrientes, que são os carboidratos, lipídios e proteínas. Dessa forma, é extremamente importante um acompanhamento multidisciplinar para que o tratamento do câncer seja efetivo. 

Nutrição no tratamento de câncer

Dentre os profissionais fundamentais para o tratamento do paciente oncológico, está o nutricionista, que terá um papel importante no acompanhamento da nutrição do paciente, observando caso a caso e suas necessidades específicas. 

O tratamento contra o câncer pode provocar consequências nutricionais como perda de peso, desidratação e outros problemas, por isso, o nutricionista irá avaliar o caso do paciente e a recomendação da aplicação da terapia nutricional individualizada, levando em consideração o tratamento e o histórico do paciente. Essa recomendação nutricional poderá ser oral, enteral e parenteral. 

Nutrição Oral: A Nutrição Oral é a forma tradicional de alimentação, feita exclusivamente pela boca. 

Nutrição Enteral: A Nutrição Enteral (NE) é a forma de alimentação realizada através de sonda, posicionada ou implantada no estômago, onde o frasco e nutrição é acoplado a um equipo de nutrição. 

Nutrição Parenteral: A Nutrição Parenteral (NP) consiste em uma terapia nutricional administrada por via endovenosa, através de um conjunto de equipo e cateter. É mais utilizado para complementar ou substituir o fornecimento de nutrientes.

As recomendações nutricionais devem ser desenvolvidas levando em consideração as individualidades do paciente, suas necessidades nutricionais, restrições dietéticas, tolerâncias, função gastrointestinal, estado clínico e efeitos colaterais do tratamento. Essa análise e triagem nutricional é importante, já que o câncer é uma doença complexa, que pode comprometer o estado nutricional do paciente, dificultando sua recuperação. 

Tipos de câncer e o impacto nutricional

Todo tipo de câncer pode causar alterações nutricionais nos pacientes, porém, alguns tipos e localizações podem ter maior influência na desnutrição. Células cancerígenas localizadas na cabeça, pescoço, pulmão, esôfago, estômago, cólon, reto, fígado e pâncreas possuem maior necessidade de uma terapia nutricional, comparadas ao câncer de mama, leucemia e linfoma. Essa diferença pode ser pela localização do tumor, mas também pelas consequências do tratamento de cada um deles. 

A desnutrição pode prejudicar a evolução positiva dos pacientes oncológicos, por isso, essa avaliação e suporte nutricional é essencial como parte da terapia oncológica, para auxílio da recuperação da qualidade de vida desses pacientes. 

As dietas imunomoduladoras

A imunonutrição pode ser definida como uma forma de alimentação artificial que auxilia na renovação das células do corpo para uma melhor recuperação e resposta imunológica. Para essa renovação, um aminoácido bastante importante e utilizado é a glutamina. 

A glutamina é um aminoácido não essencial, sendo também o aminoácido livre em maior quantidade no organismo. Sua função é fornecer energia para diversos tecidos do nosso corpo. 

Além da suplementação com aminoácidos, estudos apontam que os efeitos positivos da suplementação de ômega 3 em pacientes oncológicos. Entre as ações observadas, a suplementação de ômega 3 pode apresentar propriedades antineoplásicas, imunossupressoras, cicatrizantes de tecidos e anti caquética. Outro ponto observado e comprovado foi a melhora do estado nutricional, como massa magra e a capacidade física. 

Fontes: 

https://portal.unisepe.com.br/unifia/wp-content/uploads/sites/10001/2018...

http://seer.pucgoias.edu.br/files/journals/3/articles/3379/public/3379-9...