Pular para o conteúdo principal

Quem apresenta riscos?

02/08/2019 - 09:40 hs - Terapia Respiratória
apneia-quem-apresenta-risco

A apneia do sono é comum, mas infelizmente é subestimada como doença. Embora alguns fatores possam indicar um aumento do risco de ter a doença, há pessoas que sofrem da apneia do sono mesmo não apresentando os fatores de idade, sexo e tipo físico.

A Síndrome da Apneia Obstrutiva do Sono (SAOS) afeta de 1% a 6 % da população adulta mundial.(1) Apesar da SAOS ser considerada o tipo mais comum de distúrbio respiratório(1), ela continua sendo subestimada: 80% das pessoas não sabem que sofrem dessa doença e, portanto, não são tratadas.(2)

FATORES DE RISCO DA APNEIA DO SONO

Qualquer pessoa pode apresentar apneia do sono independentemente do sexo, idade ou tipo físico, entretanto, a presença de qualquer um dos seguintes fatores, aumentam mais o risco de possuir a doença.(3)

  • Idade mais avançada: A apneia do sono ocorre com mais frequência em adultos acima de 50 anos. Ela geralmente atinge uma estabilidade após os 60 anos de idade, embora estudos recentes revelam que continua a aumentar depois de 70 anos de idade.
  • Sexo masculino: A SAOS é mais comum em homens do que em mulheres. Atribui-se esta incidência às diferenças anatômicas e às propriedades funcionais das vias aéreas superiores.
  • Excesso de peso: O adulto com Índice de Massa Muscular (IMC) de 30 ou maior é considerado obeso. O risco de apresentar apneia do sono aumenta com o excesso de peso corporal.
  • Histórico familiar: a apneia do sono pode ser mais frequente entre familiares de primeiro grau. Isto pode ser um resultado de características hereditárias ou de estilos de vida semelhantes.
  • Vias aéreas estreitas: Se você sofre de congestão nasal, possui algum defeito anatômico, ou sofre de alergia respiratória, é bem provável que você desenvolva SAOS.
  • Pós-menopausa: A SAOS é mais comum em mulheres na pós-menopausa.
  • Gravidez: A SAOS agrava-se durante a gravidez, principalmente depois do terceiro trimestre.
  • Tabagismo: Está associado a maiores risco de roncar e de desenvolver SAOS.
  • Álcool: Pode agravar o colapso das vias aéreas superiores, causando a apneia.
  • Privação do sono e postura supina (dormir de barriga para cima): Também são potenciais contribuintes.
  • Medicamento relaxante muscular: Medicamentos tais como sedativos, drogas hipnóticas e opiáceos podem exacerbar a SAOS.

QUAIS SÃO AS CONSEQUÊNCIAS E OS RISCOS DA APNEIA DO SONO?

A APNEIA DO SONO E OS RISCOS NO DIA A DIA

A apneia do sono no dia a dia traz consequências, tais como fadiga excessiva, sonolência (o que pode causar acidentes), além de problemas de relacionamento.

Para muitas pessoas, o primeiro sinal de que sofrem de apneia do sono é quando o seu companheiro reclama do ronco. Aproximadamente 75% dos companheiros relatam episódios de apneia(2). O companheiro percebe o ronco, a respiração ofegante e o engasgamento, como também tem o seu próprio sono interrompido. Geralmente a pessoa ao seu lado permanece acordada por preocupar-se com as pausas e outras anomalias de sua respiração.(1) Essa privação de sono provoca tensão no relacionamento(1) e afeta, em muito, a qualidade de vida.

Todavia, as maiores consequências da apneia do sono afetam principalmente o próprio paciente. Depois de uma noite mal dormida, o paciente poderá sentir cansaço pela manhã, esforça-se muito para manter-se acordado ao longo do dia, principalmente à tarde.(1) A sonolência diurna é a principal reclamação.(2) Isto pode resultar em baixo nível de concentração, reflexos lentos, acidentes domésticos e disfunção cognitiva.

A apneia do sono também causa acidentes automobilísticos. Portadores da síndrome de apneia obstrutiva do sono têm seis vezes mais chances de sofrer um acidente de carro.(3) A falta de sono causada pela apneia do sono gera fadiga e falta de atenção, fazendo com que o motorista adormeça ao volante. Nos casos das funções que envolvem operação de maquinário ou transporte, o risco de acidentes causados por sonolência se torna extremamente elevado.(1)

 

Fontes

(1) The World Health Organization. Chronic respiratory diseases www.who.int/gard/publications/chronic_respiratory_diseases.pdf  consultado em 21/ 05/2015

(2) Obstructive Sleep Apnoea – A guide for GP’s – British Lung Foundation (NHS)

(3) Sleep breathing disorders – European Respiratory Society White Book (capítulo 23)