Pular para o conteúdo principal

Nutrição Enteral: Quais podem ser as complicações?

15/07/2021 - 05:41 hs - Nutrição

A Nutrição Enteral (NE) é utilizada quando é preciso repor nutrientes de pacientes em tratamento que não podem se alimentar pela boca. Essa terapia requer acompanhamento adequado conforme sua prescrição destinada à individualidade de cada paciente para evitar essas complicações.

Qualquer complicação no fornecimento da dieta enteral pode ser evitada se houver acompanhamento na administração e atenção às indicações do médico e nutricionista responsável. Para que isso aconteça, é fundamental o estabelecimento de protocolos e indicadores de qualidade relacionados à Nutrição Enteral, e que estes sejam capazes de garantir o sucesso do tratamento. As principais complicações que podem ocorrer são divididas em algumas categorias, podendo ser metabólicas, gastrointestinais, mecânicas, infecciosas e/ou operacionais.

Complicações metabólicas

Este tipo de complicação está relacionada à desidratação e hiper hidratação, ou seja, quando a ingestão de água está inadequada durante o tratamento. Junto a ela, pode aparecer também a hiper e a hipoglicemia, isto é, ingestão de pouca ou muitas calorias, nas interrupções tardias ou precoces da Nutrição Enteral ou até na própria condição clínica do paciente.

Outra alteração metabólica importante de se notar é a Síndrome da Realimentação. Ela acontece quando os pacientes em quadro de desnutrição ou em jejum prolongado ou da transição da nutrição enteral para ser alimentados por via oral de forma rápida e em grandes quantidades. Essa forma rápida de alimentação, faz com que os micronutrientes que estavam deficientes no organismo sejam desviados, ocorrendo uma queda rápida e importante de suas concentrações plasmáticas. Dessa forma, poderá haver alterações no sistema cardiovascular, hepático, gastrointestinal, pulmonar, renal e hematológico. Por isso, é importante que qualquer interrupção da nutrição enteral e o recomeço da dieta via oral, seja acompanhada pelo médico e prescrita pelo nutricionista responsável. 

Complicações Gastrointestinais

Outra possibilidade de complicação é a gastrointestinal que pode ser identificada por diarréia, vômitos, desconforto gastrointestinal*, náuseas e constipações, desequilíbrio nutricional, que podem estar relacionadas à quantidade excessiva de gordura na dieta, infusão acelerada ou algum tipo de intolerância a componentes da fórmula aplicada. Além do mais, a gastroparesia - dificuldade no esvaziamento gástrico, tornando-o mais lento - também pode ocorrer, podendo ser causada pelo uso de alguns medicamentos, por distúrbios hidroeletrolíticos ou mesmo pela situação clínica do paciente. As condições relacionadas à administração da dieta enteral incluem o tipo de fórmula, a temperatura da dieta e velocidade de infusão.

Outro ponto de atenção para que se evite complicações gastrointestinais é evitar a contaminação microbiana, que pode ocorrer durante o preparo da dieta enteral e trazer como consequência uma intoxicação alimentar, considerada uma complicação infecciosa. 

*O desconforto gastrointestinal pode ser ocasionado por outros motivos, incluindo a redução da distensão do estômago pela falta de alimentação, distensão decorrente do volume da dieta e diminuição do esvaziamento gástrico ocasionado pela disfunção do piloro.

Complicações Operacionais e Mecânicas

As complicações mecânicas e operacionais estão relacionadas ao aparato técnico e operacional da Terapia Nutricional Enteral. Entre elas estão a obstrução da sonda, deslocamento da sonda, erosões e necrose nasal. A administração inadequada durante o manuseio da dieta enteral também pode ser outra causa. Existem alguns números que representam a quantidade de complicações existentes durante o uso da Nutrição Enteral. Alguns estudos nacionais e internacionais mostram que náuseas e vômitos ocorrem entre 12% e 20% dos tratamentos com NE. A diarréia pode ser uma das complicações mais frequentes entre as terapias. 

Apesar das complicações citadas acima, a indicação da Terapia Nutricional Enteral (TNE) é a estratégia mais comum e efetiva para tratar desnutrição de pacientes que não têm capacidade de suprir suas necessidades nutricionais diárias por via oral. Além disso, a TNE tem uma boa relação custo/benefício, o que torna seu uso seguro e em conformidade com as diretrizes internacionais de boas práticas em terapia nutricional.

Como administrar o melhor tratamento?

Além de seguir as dicas acima para que complicações não aconteçam durante a administração da dieta enteral, é importante que a escolha do equipo seja direcionada à necessidade de cada paciente, com a melhor tecnologia para um tratamento eficiente, seguro e confortável. Uma dessas formas, é a administração pela Bomba de Infusão de Nutrição, que são bombas eletrônicas que conseguem, através de uma programação, conduzir a alimentação por um equipo de forma automática, garantindo maior segurança e controle da terapia nutricional do paciente.

O VitalAire conta com a melhor solução em bomba de infusão, a Kangaroo ePump, que possui todos os equipos necessários para a nutrição enteral, maiores benefícios e diferenciais.

  • Facilita a administração de doses mais precisas de dieta de nutrição enteral, bem como a hidratação do paciente
  • A alimentação gástrica contínua produz menos anormalidades metabólicas que a gástrica intermitente (em bolus)
  • A nutrição enteral contínua (com bomba) também contribui para índices de glicemia significativamente mais balanceados e normoglicêmicos.
  • Oferece menos risco de aspiração de água e alimentos, que pode causar pneumonia
  • Proporciona mais conforto, segurança e bem-estar para pacientes e cuidadores

Precisa de ajuda em relação á Nutrição Enteral? Fale conosco aqui.

Fontes:

https://www.msdmanuals.com/pt-br/profissional/dist%C3%BArbios-nutriciona...
https://prodiet.com.br/blog/2014/08/15/nutricao-enteral-quais-as-princip...
https://nutritotal.com.br/pro/quais-as-complicaa-aues-mais-frequentes-em...